Janeiro 29, 2019

Euromitos

O termo Euromito é usado para se referir a histórias exageradas ou inventadas sobre a União Europeia e as suas instituições. Inventar Euromitos tem sido como um desporto para muitas fontes dos média durante quase 30 anos (especialmente a imprensa Britânica).

Muitos destes Euromitos contêm um ponto essencial de verdade, talvez uma frase em um rascunho de uma proposta ou uma nota de rodapé em uma diretiva que tenha sido tirada fora de contexto e assumido medidas desproporcionadas. Alguns são completamente fabricados. Muitos apoiam a narrativa de que Bruxelas não é nada mais que um monte de pedantes intrometidos, amantes de burocracia, sem sentido de humor que estão a tentar proibir, ou pelo menos renomear, a nossa diversão.

A Comissão da UE agora reúne estes factos para republicação e, até agora, reuniu mais de 650.

Vê aqui a lista completa de Euromitos: Índice de A-Z dos Euromitos, 1992 a 2007

Aqui estão alguns exemplos:

  • Cabeçalho de Jornal 1. ‘Bombay Mix’ (refeição rápida indiana)

Em 2006, o Sun (Jornal Britânico) relatou que os “loucos” funcionários públicos da UE queriam renomear a refeição rápida “Bombay Mix” para “Mumbai Mix” “para tornar a refeição politicamente correta”. Esta história é completamente fictícia. O correspondente do Telegraph em Bruxelas na altura, David Rennie, conseguiu encontrar a fonte da história, uma pequena empresa noticiosa regional em Inglaterra. O editor do sítio contou-lhe que a história “veio de um colega no Ministério do Interior, que tinha ouvido alguém a falar sobre isso” e quando desafiado disse: “Olha, isto é só para ser engraçado para os tablóides.”

  • Cabeçalho de Jornal 2. UE Proíbe Salgados de Camarão

mais felizes” tinham sido passadas a compor “hinos repletos de ódio à mais recente infâmia europeia”, a primeira na lista foi a sua história fictícia onde a UE proíbe salgados de camarão.

No entanto, a UE nunca proibiu os salgados. A UE informa-nos que este palavreado é o resultado de um erro feito pelo governo do Reino Unido, que não incluíu o camarão quando lhes pediram para enviar uma lista de emulsionantes e adoçantes atualmente usados na EU. O objetivo foi elaborar uma lista harmonizada à escala europeia. Quando o erro foi descoberto, a informação foi fornecida pelo governo do Reino Unido e a lista foi emendada.

Mas isso não impediu Johnson de se enfurecer em relação ao assunto. Recentemente, em março de 2018, o antigo presidente da câmara de Londres citou “a grande guerra contra o salgado britânico com sabor a camarão” como parte da sua prova de que o governo de Bruxelas estava louco e essa era a razão pela sua campanha para sair da UE.

  • Cabeçalho de Jornal 3. “UE – 26 911 palavras na legislação relacionada com couves”

“O Pai Nosso tem 66 palavras. Os 10 Mandamentos, 79 palavras. O discurso de Abraham Lincoln “The Gettysburg adress”, 272 palavras. As legislações relacionadas com a venda de couves? 26 911 palavras.”

Isto é um Euromito para a época das redes sociais. É o tipo de resumo que fica no ouvido sobre tudo o que está errado com a UE em 140 caracteres (bem, um pouco mais). É uma frase que Rachel Johnson, do jornal Daily Mail – por coincidência, irmã de Boris – escreveu em março de 2018.

Só que não está certo. O “memorando das couves”, como é conhecido, é de origem questionável e pode ser encontrado, exatamente, no mesmo formato, escarnecendo as legislações do governo dos EUA sobre a venda de couves.

Para os que estão interessados, as legislações da EU, que explicam os padrões comuns de qualidade necessários para as couves, a secção sobre couves tem, aproximadamente 1800 palavras.

  • Cabeçalho de Jornal 4. Proibição às bananas curvas.

Em setembro de 1994, o The Sun, o Daily Morror, o Daily Mail e o Daily Express (todos jornais do Reino Unido) comunicaram que “as bananas curvas foram proibidas pelos burocratas de Bruxelas”.

A ideia de as bananas curvas serem removidas das mãos de crianças britânicas esfomeadas pelos funcionários públicos da UE, claramente, criou impacto, porque é um Euromito que se recusou a morrer, A história voltou a ser publicada no The Sun em 1998 com o título “As bananas não devem ser excessivamente curvas” e o The Telegraph afirmou em 2008: “Regras sobre bananas tortas e pepinos curvos foram desconsideradas.”

Tal como muitos mitos, este tem um ponto de verdade, nomeadamente uma frase no regulamento de Comissão (CE) 2257/94, que refere que todas as bananas devem ser livres de possuir uma “curvatura anormal”. Mas as bananas curvas não estão, nem nunca foram, proibidas: às bananas das classes mais baixas são permitidos “defeitos de forma”.

  • Cabeçalho de Jornal 5. O preservativo europeu

Rumores de que a UE iria introduzir legislações relacionadas com o tamanho dos preservativos, levando a um “preservativo de tamanho único europeu” que causou bastantes escândalos nos anos 90, uma vez que as pessoas sentiram que a intervenção de Bruxelas nas suas vidas sexuais era ir longe demais.

No entanto, o preservativo-de-Bruxelas nunca foi materializado. Embora os padrões de tamanho dos preservativos tenham sido introduzidos em toda a Europa, estes eram da responsabilidade do Comité Europeu de Normalização, que não é um órgão da UE.